Povo da Baía deu o veredicto – Mariza proporcionou a melhor abertura de sempre




Afinal, foi apenas uma questão de Mariza soltar os primeiros acordes com a sua potente voz para pôr em sentido a Baía das Gatas naquela que, diz o povo, terá sido a melhor abertura de sempre das 33  edições.

O público juntou-se rapidamente, qual resposta aos apelos do apresentador, participou do principio ao fim dos 70 minutos do espectáculo, cantou, bateu palmas, pediu bis e, no fim, Mariza foi “obrigada” a regressar ao palco.

“Boa noite, bsot ta sabe?”, lançou Mariza após interpretar a primeira canção “Bailarico saloio”, ao mesmo tempo que dava conta do “enorme prazer” por actuar no festival da baía.

Depois pediu licença para cantar um fado e do público recebeu um sonoro “Yes”, que é como quem diz, “faça favor, minha senhora”.



A partir daí, com o público da baía “nas mãos”, entoou uma canção que Boss AC lhe ofereceu para o seu mais recente álbum, mas a primeira explosão viria logo a seguir quando interpretou “Padóce de ceu azul”, composição de Vlu, acompanhado com coros e palmas da plateia que tinha à frente.

Um dos momentos altos surgiu, então, quando Mariza ainda cantava o tema “Beijo de sodade” e, do palco, vislumbrou Tito Paris na zona reservada aos fotógrafos, enviou beijos, saudou o seu amigo e recebeu uma vibrante saudação do músico cabo-verdiano.

Tito não demorou a subir ao palco, grande abraço, admiração mútua, a banda volta a interpretar o tema “Beijo de sodade”, agora com as vozes de Mariza e Tito Paris, grande momento da noite.

E Mariza, rendida à Baía das Gatas, revelou um segredo quando deu conta das muitas vezes que cantou com Cesária Évora para quem nutria um “carinho gigante” por se tratar de uma figura especial.

“Se Cesária Évora colocou e transportou Cabo Verde para os quatro cantos do mundo, para mim, a voz masculina cabo-verdiana que tem levado Cabo Verde aos quatro cantos do mundo chama-se Tito Paris”, proclamou Mariza, na sua revelação.

Ainda pediu um telemóvel para registar imagens do palco e colocar no seu Instagram e Facebook para dizer “eu estive no Festival da Baía das Gatas”, como anunciou, e quando disse que a sua actuação caminhava para o fim o público reagiu negativamente.



E lá regressou ao palco, agora para interpretar “Lua nha testemunha”, culminando em grande um espectáculo que abriu da melhor forma a 33ª edição do Festival Internacional de Música da Baía das Gatas.

Segue-se a actuação do Encontro de Vozes, colectivo que junta vozes como Titina, Maria Alice, Ana Firmino, Jorge Sousa e Toi Cabicinha,  e ainda o guitarrista Armando Tito e o pianista Chico Serra.

Ao longo da noite/madrugada deste primeiro de três dias do festival estão previstas ainda as actuações de Badoxa, de Angola, e de Joelma, do Brasil.

Inforpress

Comentar:

0 comments: