Cabo Verde registou de 01 a 17 de Novembro dez casos de paludismo, segundo o Ministério da Saúde que garante estar a envidar esforços para controlar a epidemia com apoio de parceiros nacionais e internacionais.


Em nota publicada na página oficial do Governo na Internet sobre a “situação actual da epidemia de paludismo em Cabo Verde”, o Ministério da Saúde e da Segurança Social lembra que o país tem vindo a registar desde Julho de 2017, uma epidemia de paludismo, sendo que a “maioria desses casos foi registado nos meses de Agosto, Setembro e Outubro”.


“Com acções levadas a cabo, o número de casos notificados tem estado a diminuir e, desde 01 de Novembro até 17 de Novembro foram registados dez casos”, revela a fonte, recordando que, apesar de a situação actual se encontrar “relativamente controlada”, está-se numa “época susceptível” para o aparecimento de novos casos.




Neste sentido, o Ministério da Saúde exorta a população e as entidades responsáveis pelo sector do ambiente e saneamento, a continuarem com acções de prevenção e controlo da epidemia, já que o paludismo é uma doença infeciosa, grave, transmitida através da picada da fêmea infectada do mosquito Anopheles.

Este ano, Cabo Verde já registou mais de 400 casos do paludismo que resultaram em dois óbitos, sendo que o município da Praia é o concelho que tem registado maior número de casos, ou seja, mais de 380.


Para fazer face a epidemia, uma equipa multissectorial de luta anti-vectorial, liderada pelo ministro da Saúde e da Segurança Social, tem estado a visitar alguns bairros da Cidade da Praia para se inteirar do estado actual das zonas com maior concentração de focos de contaminação.


Neste período, as autoridades cabo-verdianas têm estado a intensificar a luta contra os mosquitos, com pulverização espacial dentro e fora das casas e com campanhas de sensibilização voltadas para a população.




O reforça da drenagem das águas pluviais, imediatamente após cada queda de chuvas, o reforço da fiscalização e intervenção imediata nos pardieiros, casas devolutas ou outras situações que possam conter depósitos, tanques ou outros recipientes com água estagnada, e protecção com tampa de todos os depósitos de água para construção, consumo doméstico ou outro, continuam a ser as principais recomendações.

Cabo Verde que já foi distinguido pela Aliança de Líderes Africanos contra a Malária (ALMA) com o prémio Excelência 2017, pelos resultados alcançados no combate à doença, é tido como um país que está na fase de pré-eliminação de paludismo, também conhecida por malária, prevendo-se a sua eliminação de transmissão regional até 2020.


Inforpress

Comentar:

0 comments: