Criança de 10 anos sofre de insuficiência renal e precisa de tratamento. Mulher ficou também sem o bebé recém-nascido.


Uma mulher cabo-verdiana, que está em Portugal desde o mês de abril, no âmbito do protocolo de saúde entre os dois estados, a acompanhar o seu filho, Kleiton, de 10 anos, que sofre de insuficiência renal, viu a criança ser-lhe retirada pela Comissão de Protecção de Crianças de Odivelas.

A viver com uma tia, a quem pediu ajuda após ter sido assaltada na pensão que lhe disponibilizada pela Embaixada de Cabo Verde, Alcinda Silva descobriu que estava grávida. Ao CM, Alcinda afirma que nem sempre conseguia visitar o filho, porque a gravidez era de risco, mas garantiu que sempre avisava quando faltava.



O filho de 10 anos acabou mesmo por ser institucionalizado pela Comissão de Protecção de Crianças de Odivelas, que agora retirou-lhe também a criança recém-nascida há cerca de uma semana.

Questionada pelo mesmo jornal sobre o assunto, a Embaixada de Cabo Verde, em Lisboa,  remeteu explicações para a Instituição Nacional de Previdência Social de Cabo Verde, no Prior Velho (Loures), que por sua vez preferiu manter-se em silêncio. 

Comentar:

0 comments: