O pároco da Igreja Católica, padre Zeferino Passagem, denunciou nesta segunda-feira a prática de tráfico de órgãos humanos nos municípios fronteiriços do Alto - Zambeze e Bundas, província do Moxico, em Angola.

Em declarações à agência Angola Press o sacerdote explicou que a acção envolve indivíduos estrangeiros ainda não identificados, que se aproveitam da insegurança da vasta fronteira angolana (mil e 77mil quilómetros fluvial e terrestre).

Sem avançar os números de casos registados, informou que os supostos criminosos beneficiam da fraqueza originada por pobreza que afecta os cidadãos nacionais, usando métodos de sedução e extirpam os seus órgãos vitais e sexuais  para fins comerciais.

Por seu turno, o funcionário público, Gil Mucuma Wilson, 58 anos de idade, confirmou à Angop ter relato de dois casos em que foram vítimas mulheres em Dezembro último, sendo o primeiro ocorrido no bairro Tchinuque e outro na missão de São Bento, cinco quilómetros a oeste da sede municipal do Alto – Zambeze (Cazombo).



Explicou que neste momento alguns agricultores, principalmente mulheres, deixaram de ir às lavras, por suspeitaram ser agredidas.    

O interlocutor que reside há 16 anos em Cazombo fez saber que os familiares das vítimas haviam encaminhado os casos às autoridades policiais da circunscrição e que até a presente data aguardam pelo esclarecimento da veracidade dos factos. 

A Angop contactou a Polícia Nacional, no Moxico, a propósito desta denúncia e não confirmou os factos. Porém, o seu porta-voz, Alberto Pacheco, esclareceu que para aferir tais informações, a corporação fez deslocar, o ano passado, uma equipa multisectorial ao município do Alto – Zambeze sem, contudo, encontrar “evidências claras" sobre a matéria.

De acordo com a fonte policial, presume-se que se trate de " actos criminosos" motivados por questões passionais cometidos por alguns elementos da população.(Angop)

Comentar:

0 comments: