Jogador luso cabo-verdiano é suspeito dos crimes de roubo, posse de arma proibida, sequestro e ofensas à integridade física.



O futebolista luso cabo-verdiano Rúben Semedo vai ficar em prisão preventiva a aguardar julgamento, decretou esta quinta-feira o Tribunal de Líria, perto de Valência, onde o jogador foi ouvido esta manhã.  

O jogador do Villareal FC foi detido esta semana pela segunda vez pelos crimes roubo, posse de arma proibida, sequestro e ofensas à integridade física. Rúben Semedo chegou pelas 8h30 ao tribunal, levado num carro-patrulha da Guardia Civil. 

Rúben Semedo encontrava-se detido na cela do Comando de Patraix da Guardia Civil e chegou escoltado. Na entrada em tribunal tentou esconder o rosto com o capuz que levava. 

O jogador que o Sporting vendeu no último verão ao Villareal foi detido na terça-feira, após um homem ter apresentado queixa contra Semedo e um primo dele. Queixa-se de que Semedo e mais duas ou três pessoas o agrediram, amarraram e foram a sua casa roubar vários bens. 

O jornal Las Provincias detalha que Semedo e comparsas são suspeitos de se terem apropriado de 24 mil euros, um computador e outros objetos de valor que foram levados da casa da vítima, no luxuoso bairro de Bétera, em Valência. 

As buscas realizadas em casa do defesa central permitiram às autoridades descobrir uma pistola ilegal, que terá sido disparada durante o ataque. As buscas revelaram que Semedo montou na cave da sua casa uma discoteca.



Rúben Semedo deverá assegurar ao tribunal que sequestrou, com a ajuda de um primo e de um amigo, um francês de origem marroquina para tentar reaver cerca de 40 mil euros que este se apropriou através de um esquema de burla. 

A vítima de sequestro, que tem cadastro por burlas a jogadores de futebol em Espanha, apresentou queixa a 12 de fevereiro. Terá sido nesse dia que Rúben Semedo e os dois comparsas forçaram o alegado burlão, sob ameaça de pistola, a acompanhá-los à casa do futebolista. O francês foi depois agredido com um taco de basebol e ameaçaram cortar-lhe um dedo com uma faca. 

Segundo a queixa, Rúben Semedo terá ainda apontado uma pistola à cabeça do francês, ameaçando-o de morte. A vítima, que foi hospitalizada, fez queixa. Garante que lhe roubaram 24 mil euros, um computador, relógios e outros objetos. 

Esta é a terceira vez que o futebolista, que recebe mais de um milhão de euros por ano, é detido. O Villarreal já abriu um processo disciplinar, "tendo em conta a gravidade dos factos".  

Rúben Semedo, defendem as autoridades, integrava um grupo de três homens que amarrou, sequestrou e roubou um empresário - a polícia suspeita de que se tratou de um ajuste de contas. Factos violentos que ocorreram na própria casa do atleta português – uma moradia na urbanização Torrenconí de Betera, em Valência. Segundo a queixa apresentada pela vítima, Rúben Semedo era um dos dois homens que estavam armados, tendo sido disparados dois tiros de intimidação.  



A vítima foi forçada a entregar a chave de casa, da qual lhe foram roubados vários artigos de valor. Na semana passada, dia 12, o homem apresentou queixa na esquadra da polícia e identificou claramente o jogador português. A vítima apresentava vários hematomas no corpo e uma lesão no calcanhar, que a obrigava a andar de muletas. Disse, ainda, que um dos agressores disparou dois tiros para o assustar. O homem deu o nome de Rúben Semedo e de um primo do jogador como as pessoas que o atacaram.  

O caso está a ser investigado pela Unidade de Polícia Judicial da Guardia Civil de Valência.  

Durante os últimos dias, os agentes ouviram alguns vizinhos do jogador, que confirmaram a passagem de várias pessoas pela vivenda.  

Na terça-feira, a Guardia Civil avançou para a detenção formal do atleta. Os polícias estiveram durante várias horas a fazer buscas em casa do futebolista e saíram já ao início da tarde. Recorde-se que, já em dezembro, o jogador foi detido pela Polícia Nacional por ter ameaçado um empregado de uma das discotecas mais conhecidas de Valência com uma pistola, na madrugada de 19 de novembro. 

A denúncia referia que, depois de se ter recusado a abandonar o bar, Semedo esperou pela vítima na rua, sacou da pistola que tinha por baixo da camisola e deixou ameaças com a frase: "E agora? Chama os seguranças." A 29 de outubro, um novo episódio violento noutra discoteca, com o mesmo protagonista - Rúben Semedo. O jogador envolveu-se numa cena de pancadaria com outro cliente do bar. A vítima, que foi atingida com uma garrafa de vidro na cabeça, apresentou queixa às autoridades.

Fonte: cm

Comentar:

0 comments: