A Câmara de Comércio de Sotavento (CCS) insurgiu-se hoje, em comunicado, contra o aumento das tarifas de electricidade e água, entradas em vigor terça-feira, 06, que, em seu entender, “vem agravar o ambiente de negócios no país”.

Esta decisão da Agência de Regulação Económica (ARE), no entender dos responsáveis da CCS, contraria o anunciado pelo Governo, pelo que considera que “não faz sentido anunciar medidas de incentivos e protecção à indústria nacional e, concomitantemente, tomar medidas contraditórias, como é o caso do aumento dos custos de factores de produção”.

São custos, continua o comunicado da CCS, “já ‘de per si’ elevadíssimos e que tem perigado a viabilidade económica e financeira de muitos projectos de investimentos empresariais no País”.

“A CCS defende que antes de se decidir quaisquer aumentos dos custos de energia e água, o Governo devia fazer as diligências para resolver o problema das perdas na rede e, sobretudo, dos roubos de energia que atingem actualmente mais de 30 por cento (%) da capacidade de produção da Electra”, lê-se no comunicado.

De acordo com o documento, urge pôr termo, definitivamente, a esta tendência que se regista em Cabo Verde de “resolver os problemas de ineficiência das empresas públicas, com o aumento dos custos e serviços prestados”, pelo que incita o Governo a “aprovar uma política clara relativa à produção e distribuição de energia alternativa, com um forte envolvimento do sector privado”, como forma de baixar os custos de produção e, consequentemente, os preços.



A CCS defende a adopção de “uma política que vise a redução consistente dos custos de factores de produção em Cabo Verde” já que, adianta o comunicado, “os preços elevados têm constituído um dos principais empecilhos à realização de atividades económicas e empresariais no país”.

A Câmara de Comércio de Sotavento posiciona-se contra esta medida que “vem em contramão com as recomendações do ‘Estudo sobre a Reforma da Política Industrial’, efectuado pela Câmara de Comércio de Sotavento e adoptado pelo Governo”, por causa dos seus efeitos nocivos ao ambiente de negócios e à competitividade da economia de Cabo Verde.

As novas tarifas de electricidade e água estão em vigor desde terça-feira, 06, com aumentos em todos os escalões, tanto na Electra, como na empresa Águas e Energia da Boa Vista.

A electricidade, na Electra, sofreu um aumento de 2,38 por cento (%) para 0,60 escudos por quilowatt por hora (ECV/KWh), em todos os escalões, enquanto na empresa AEB o aumento foi de 2,84% para 0,77 ECV/KWh, em todos os escalões.

As tarifas de água, na Electra, para as ilhas de São Vicente e do Sal, aumentaram 2,55% para 8,72 ECV por metro cúbico (m3) e na AEB o aumento foi de 0,85% para 3,99 ECV/m3.

O novo tarifário, de acordo com a ARE, reflecte a evolução do preço dos combustíveis no período de Junho de 2018 a Março de 2018 e levou consideração, também, “os parâmetros relativos às perdas, ao mix de combustíveis utilizados na produção de electricidade e à participação das renováveis”.

Por: Inforpress

Comentar:

0 comments: