O Presidente do Brasil, Michel Temer, disse esta quarta-feira que vai contactar o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, para reverter a decisão de impor sobretaxas sobre o aço e do alumínio. “Pretendo telefonar para o Presidente [Donald] Trump. Soube que ele apreciaria ligações dos países envolvidos”, afirmou na abertura do Fórum Económico Mundial para a América Latina, que decorre em São Paulo.

O chefe de Estado brasileiro fez questão de frisar que está preocupado, mas aposta no diálogo para resolver a questão, dado os Estados Unidos serem o segundo maior parceiro comercial do Brasil. Michel Temer também afirmou que o Governo brasileiro vai trabalhar em duas frentes para evitar que as exportações do aço e do alumínio sejam taxadas nos Estados Unidos.

A primeira frente será liderada por empresas brasileiras e suas parceiras, que vão procurar o Governo e o Congresso norte-americano para reverter a decisão formalizada pelo Presidente Donald Trump na semana passada. Caso esta estratégia não alcance o resultado esperado, Michel Temer afirmou que o Brasil irá procurar os outros países afetados pela medida para entrar com uma representação junto da Organização Mundial do Comércio (OMC).



O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, que também participou no painel de abertura do Fórum Económico Mundial para a América Latina, explicou que as medidas tomadas contra esta decisão dos Estados Unidos “têm que ser analisadas com muito cuidado”.

O chefe da diplomacia brasileira frisou que “as indústrias brasileiras e norte-americanas [do setor] estão coordenadas para mostrar os impactos negativos da medida”, acrescentando que contactou o secretário de Estado do Comércio dos Estados Unidos “para discutir como [as sobretaxas] impactarão as relações comerciais dos dois países”.

Na passada quinta-feira, Donald Trump assinou o decreto que passa a impor, no prazo de 15 dias, uma taxa de 25% às importações de aço e de 10% às do alumínio. Na ocasião, anunciou que “por agora” apenas o Canadá e o México ficariam isentos da imposição das taxas.

Lusa

Comentar:

0 comments: