O número de aeronaves movimentados nos aeroportos e aeródromos de Cabo Verde cresceu 19,9 por cento (%) em 2017 face ao ano de 2016.

De acordo com as estatísticas de transportes divulgadas hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em termos absolutos, no ano de 2017 foram registados 36.212 movimentos de aeronaves (+6.003) face ao ano de 2016. Destes 36.212 movimentos 18.107 foram aterragens e 18.105 descolagens.

Em termos de passageiros, passaram pelos aeroportos e aeródromos cabo-verdianos mais de 2,6 milhões pessoas, representando um aumento de 17,3% relativamente ao ano anterior, correspondendo a 390.876 passageiros a mais do que em 2016.

Os números de passageiros embarcados, desembarcados e em trânsito directo cresceram 15,5%, 20,7% e 7,9%, respectivamente, em relação a 2016.

Já em relação aos movimentos de cargas, a situação foi contrária, ou seja, houve uma diminuição na ordem dos 23,4% face ao ano 2016. Em termos absolutos, no ano de 2017 registou-se a movimentação de 2.127.108 toneladas de cargas, correspondendo a menos 650.653 toneladas de cargas movimentadas.



A movimentação de cargas embarcadas diminuiu cerca de 26,6% e as desembarcadas também reduziram 21,7% em relação ao ano de 2016.

No que se refere ao transporte marítimo, os dados mostram que foram registados 7.063 movimentos de navios nos portos de Cabo Verde, inferior em 6,3% face ao ano anterior.

Entretanto, a situação difere quando são analisados os tipos de navios que atracaram portos de Cabo Verde. Os números mostram que quanto à movimentação de navios de longo curso hoje um aumento de 15,6% e quanto aos navios de cabotagem uma 10,2%.

Quanto ao movimento de mercadorias nos portos a quantidade movimentada aumentou 12,3%. No total foram movimentadas 2.334.079 toneladas de mercadorias, mais 255.373 do que em 2016.

De acordo com o INE, o número de passageiros movimentados pela via marítima diminuiu 3,2%, a tonelagem de mercadorias movimentadas aumentou 12,3%, e o número de contentores de 20 pés movimentados também aumentou 20,2%, em relação ao ano de 2016.

Por: Inforpress


Comentar:

0 comments: